A música e o strip-tease

Procurei uma expressão em português, não encontrei. O mais próximo seria ‘despir e provocar‘, que de tão insosso não serve pra nada. Fiquemos com o anglicismo e com o desafio de esboçar uma erótica da música.

A rigor, sendo a música erótica em si mesmo, não se trata de esboçar nada, apenas denunciar as artimanhas sonoras de sedução que a constituem.

O que deseja um ouvinte? É justamente desse strip-tease que se trata. Dessa capacidade travessa de ir se desnudando no tempo. Como se soubesse o que deseja o ouvinte. E aparentemente sabe.

Beethoven, ao escolher o poema de Schiller ‘An die Freude’ para sua nona sinfonia faz reverberar um impressionante discurso sobre a alegria como centelha divina (Gotterfunken…), como força que move o universo.

Lá pelas tantas diz o poeta: até aos vermes foi concedido o prazer. A imagem é contundente: o prazer dos vermes, sua alegria, é a mesma nossa.

Os fios dessa cadeia vital de alegria que une vermes e estrelas passam pela nossa vida, e certamente iluminam a música. Daí, seu erotismo. Quem é o criador de música? É justamente aquele neto de Freud que jogava um carretel de linha para longe e para perto, encenando com o pequeno jogo, os sumiços e aparições da mãe: Fort / Da (sumiu / eis aí). Trata-se de um strip-tease materno, só que é a mãe inteira que aparece e desaparece por entre as artimanhas do jogo.

Muitas estratégias composicionais lidam diretamente com o pólo visível do objeto sonoro desejado, o ‘eis aí’. Outras estratégias cuidam do sumiço, de tudo que vai garantir o prazer do retorno.

A tão desejada cadência harmônica está certamente no âmbito do ‘eis aí’. O samba é organizado como equilíbrios e desequilíbrios rítmicos que permitem ao ouvinte gozar simultamente com sumiços e aparições do tempo forte.

Você se lembra daquela famosa canção: ‘meu coração amanheceu pegando fogo…? O desenho melódico empurra pra cima, sempre pra cima. Trata-se da necessidade de caracterizar o patamar de chegada – ‘fogo, fogo…’ – como pico de excitação por causa da morena…

Exemplos abundam nas músicas de todos os tempos. Até mesmo na peça silenciosa de John Cage ( 4′ 33”) onde nada se ouve do pianista. A peça expõe o jogo do strip-tease mostrando a fera, o verme, a estrela desejante dentro de nós.

Anúncios
Tags:

One Comment to “A música e o strip-tease”

  1. Hi there, I found your blog by the use of Google even as searching for
    a comparable subject, your web site came up, it seems to be
    great. I have bookmarked it in my google bookmarks.
    Hello there, simply turned into aware of your blog thru Google, and
    located that it is really informative. I am going to watch out for brussels.
    I will appreciate in the event you proceed this in future.

    Many other people might be benefited from your writing.
    Cheers!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: